• sabrinagonzalezpsi

Alice Wegmann fala sobre comer por ansiedade; você passa por isso?



A atriz Alice Wegmann, a Marina da novela “A Lei do Amor” (Globo), disse em entrevista para a revista “Marie Claire” que acredita ter tido um “problema de compulsão alimentar pela ansiedade”. Comer por ansiedade e ser compulsivo são coisas diferentes, que podem estar relacionadas ou não.


“A maioria das pessoas come por ansiedade, mas quem tem compulsão não consegue parar, chega a passar mal de tanto comer. Tenho pacientes no consultório que levantam de madrugada para comer uma lata inteira de leite condensado ou saem de casa para comprar algo”, afirma a endocrinologista Maria Fernanda Barca, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia e da Sociedade Endócrina dos Estados Unidos.


A psicóloga hospitalar e de transtornos alimentares Sabrina Gonzalez disse que outra característica de quem come por compulsão [que é uma doença catalogada pela Organização Mundial da Saúde] é sentir culpa após o comportamento. “A pessoa se sente culpada, cai a autoestima e ela tende a cometer outros atos compulsivos”, fala Sabrina.


BUSCA DE ALÍVIO


A psicóloga diz que tanto quem come por ansiedade quanto quem tem compulsão alimentar usa a comida como recurso para aliviar o sofrimento psíquico.


Segundo Sabrina Gonzalez, além do descontrole ao comer e o sentimento de culpa, o compulsivo alimentar perde a seletividade. “quem como por ansiedade, em geral, sente vontade de alimentos específicos, como um bombom ou um bolo. Já quem é compulsivo como qualquer coisa, o que estiver pela frente.”


RAZÕES METABÓLICAS


Para a endocrinologista Maria Fernanda, antes de determinar qualquer forma de tratamento para a compulsão alimentar, é preciso investigar se a causa do problema não é metabólica. De acordo com a médica, o indivíduo precisa se submeter a um exame de sangue que avalie a relação entre a glicose e a insulina no organismo. “A pessoa pode apresentar resistência à insulina.


Esse hormônio é responsável por jogar o açúcar para dentro da célula. Quando não age como deveria, o cérebro manda uma mensagem que precisamos comer mais carboidratos [fontes rápidas de açúcar], principalmente.”. Descartadas razões metabólicas –que são resolvidas com medicamentos– para o ato de comer demais, o tratamento pode consistir em psicoterapia, com psicólogo ou psiquiatra, associada ou não a remédios anticompulsivos (que obrigatoriamente têm de ser prescritos por um médico).


Acesse o link do portal UOL: https://estilo.uol.com.br/vida-saudavel/noticias/redacao/2017/01/20/alice-wegmann-fala-sobre-comer-por-ansiedade-voce-passa-por-isso.htm

0 comentário